Casa de Cultura Villa Maria

Casa de Cultura Villa Maria

Sua construção data do início do ano de 1918. O prédio foi construído para residência de Maria Queiroz de Oliveira, popularmente conhecida como Dona Finazinha, grande proprietária rural, usineira, figura influente nos negócios e na sociedade campista da sua época, famosa por seus atos de filantropia e assistência a grande parcela da população carente do município.

Essa residência, hoje conhecida como Casa de Cultura Villa Maria, foi doada por Finazinha ainda em vida para servir de sede a uma futura universidade. Foi sede da Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes, por decisão do testamenteiro, o desembargador Paulo Pinto.

A Villa Maria representa a opulência dos usineiros de açúcar no início do século XX, quando Campos se assenhorava dos domínios da cana. Caracteriza-se por sua arquitetura velino italiana, tendo sido construída com materiais de alto custo e rara beleza. Fora projetada para ser vista de vários ângulos, o que representou a necessidade de algumas acomodações internas proporcionando uma fachada harmoniosa e extremamente fiel ao estilo visado. Além dos vários salões ricamente ornamentados, bem como escadarias, conserva em seus jardins boa parte do que anteriormente compunha a chácara de fruteiras.

Tombado conjuntamente com o Solar do Barão da Lagoa
Dourada, o Fórum Nilo Peçanha e a área circunvizinha ao coreto do
Liceu de Humanidades, pelo INEPAC (Instituto Estadual do Patrimônio
Artístico e Cultural), em 1988.